Gays: tenha muito medo de se aproximar deles

Tempo de leitura: 9 minutos

Gays: tenha muito medo de se aproximar delesSemanalmente tento compartilhar aqui, neste site, fatos diários (ou passados) que aconteceram comigo, o meu desejo é apenas o de transmitir experiências que me marcaram e o que eu aprendi com estes acontecimentos. Acontece que, às quatro da madrugada, de hoje, eu fiquei sabendo da triste notícia do falecimento de um colega gay de minha cidade natal. Não consegui mais dormir. Ainda estou aqui tentando entender o que, para nós, não tem explicação: a morte.

Jamais quero transformar o fatídico caso em uma polêmica, muito menos transformar este artigo em caça-cliques, mas fiquei – e estou – muito incomodada com esta notícia. E só tomei a decisão de escrever sobre isto, porque em 2014, eu tive uma conversa muito bacana com o Junior sobre este assunto e acredito que chegou a hora das pessoas começarem a desenvolver uma coisa básica chamada: respeito.

Suicídio

Ninguém gosta também de falar sobre suicídio, e quem me conhece bem sabe a repulsa que tenho por qualquer assunto relacionado à morte, dor e violência contra qualquer ser vivo.  Acontece que não é de hoje que sabemos que a saúde mental das pessoas anda abalada. Mas, principalmente, se for uma pessoa LGBT (Lésbica, Gay, Bissexual, Travesti e Transexual) que sofre discriminação diária nas ruas, e, infelizmente, dentro do lugar onde deveria existir o maior acolhimento, respeito e Amor: o próprio lar.

No ano de 2012, a Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, realizou um estudo com a intenção de descobrir se existe alguma relação entre a orientação sexual do indivíduo e o suicídio. E, pasmem, a probabilidade de um homossexual cometer suicídio é cinco vezes maior do que um jovem heterossexual.

Aqui, no Brasil,  três jovens se suicidam diariamente. DIARIAMENTE. O motivo? PRECONCEITO. Existe também um site chamado “Quem a homofobia matou hoje?” com os registros de crimes ocorridos contra gays, mas com poucos registros de suicídios, afinal, a grande maioria dos gays que se suicidam, não são assumidos.
E isso ocorre devido aos inúmeros conflitos que são gerados em suas cabeças e eles acabam entrando em um estado de depressão profunda fazendo com que tirem sua própria vida.

Existe uma ONG que, desde 1962, possui diversos voluntários que trabalham em prol do Centro de Valorização da Vida – CVV, uma entidade de apoio emocional e prevenção do suicídio e que é possível entrar em contato através do número de telefone 141.

É óbvio que para uma mãe e para um pai isso não é fácil. Está internalizado em muitos de nós aquela velha ideia de que o menino vai ser o pegador e a menina vai trabalhar, namorar, noivar, casar e dar lindos netos para os pais. Mas os pais muitas vezes se esquecem – ou até mesmo desconhecem – o fato de que ser gay é algo que está além do controle de qualquer um. É algo que uma criança ou um adulto não pediu ou escolheu, não é uma opção.

É claro que isso não significa que todos os gays pensam em se matar, isso tem muito a ver com o contexto familiar em que vivem e como as pessoas ao redor lidam com isso.

Mas agora pense você, car@ leitor@, se a vida já é difícil com o apoio da família, imagine você, sem o apoio e o amor de sua família? Uma sociedade que é bastante dura com adultos e crianças homossexuais. Famílias que expulsam seus filhos de casa. Ameaçam. Batem. Dizem palavras duras como: “eu prefiro ter um@ filh@ drogad@, bandid@ ou mort@ do que gay”.

Pessoas que precisam mentir, se esconder, viver um casamento de fachada e viver com medo. Sim. Medo de serem mortos nas ruas só por serem quem são. Medo de serem rejeitados pelos amigos. Medo da família deixar de amar. Medo do olhar de reprovação ao dar um beijo em quem ama. Medo de andar de mãos dadas com quem ama. Medo. Medo. Medo. Medo. Medo.

É por causa desse medo todo que, segundo meu querido colega Junior, nós não podemos ficar calados. Ele mesmo me disse que lutou muitooooo para conseguir aprender a lutar contra esse preconceito. E ele desejava poder ajudar as pessoas.

Em certa ocasião, ele me relatou o que disse a uma pessoa muito próxima a mim:

“Isso pode acontecer na família de qualquer um e somente com apoio familiar para essa realidade mudar. Eu sei como é! Mas se pergunte em qual momento da sua vida você achou um garoto bonito? E por que não acha meninas bonitas? De verdade, não quero te ofender, você parece ser uma pessoa boa e eu não faço ideia de quem você é, mas não escolhemos ser assim. Eu sei que sou diferente desde pequeno, aos cinco anos de idade. Em 2004 eu achei que eu não iria sobreviver e hoje estou aqui brigando por nós, por um mundo onde possamos ser respeitados e irei além, você pode ter certeza disso.”

Só Deus sabia o que se passava no coração do Junior. Existem coisas que saberemos somente na Eternidade. Mas com toda a certeza do mundo: você vai fazer muita falta, cara. Mas nós não iremos nos calar e sua voz será ainda mais ouvida.

Jesus x Preconceitos

Sempre admirei Jesus porque Ele andava com pessoas que eram tidas como menos que gente. E eu sempre preferi estar com àqueles que são tidos como menos que gente. Talvez eu tenha puxado isso de minha mãe e avó, que desde quando me conheço por gente elas levam comida e amor para as pessoas mais carentes, visitam os enfermos, cuidam de animais abandonados e acolhem pessoas que estão atrás das grades.

O duro é que existem tantas  outras pessoas que renunciam à liberdade de ser em troca de idiossincrasias sociais são os que mais estão à margem. Esses aí estão à margem da vida. E no auge dos meus vinte e sete anos, uma garota latino-americana, que veio do interior do Paraná para a capital paulista em busca novos caminhos e até mesmo de respostas. Fui cada vez mais me simpatizando por gente excluída, gente perdida, gente abandonada, gente que está à margem da sociedade, gente que perdeu a referência do que é ser gente.

Quantas vezes, mesmo sem perceber, eu os estava defendendo. Agora, sabe àqueles gays que você gosta tanto de bater no peito e vociferar maldições ou que eles são abominações e negados por Deus? Então, tenha muito medo ao se aproximar de um deles. Porque você pode se perceber muito àquem deles. Você perceberá o quanto eles são mais amigos, carinhosos, amorosos e cuidadosos. Sim, pode ser até que você os achem seres de outro mundo. É só se aproximar que você verá como eles são melhores ainda do que você imagina. E ainda perceberá que você vive uma pseudo-santidade e que precisa tanto da graça quanto qualquer outro ser humano.

Ah, e saiba que Jesus era um exemplo de humanidade e o critério para entrar no céu não será a forma de uso do nosso órgão sexual, mas sim quais são as verdades que estão fixadas no nosso coração. Afinal, vai ter gays e héteros, tanto no céu quanto no inferno.

E, conhecendo bem Jesus, exemplo de humanidade, um cara ( com todo respeito O chamo assim) que viveu e morreu no meio de putas, bandidos, leprosos, pobres, favelados e negros, tenho certeza de que Ele conviveria, tranquilamente, com homossexuais que você adora excluir de sua ~santa igreja~ e de seu ~círculo social~. O evangelho dEle era para todos.

E, na minha opinião, seguindo o exemplo de Jesus, que pouco ficou dentro da igreja, o futuro da humanidade não é dentro de igrejas. Jesus estava nas ruas ouvindo histórias, curando, perdoando. Jesus veio para consertar a nossa história, os nossos medos, os nossos preconceitos. Será que Ele também precisa consertar a sua história?

Há no mundo ainda muito preconceito e pessoas oprimidas. É preciso dar um basta porque para quem quer viver junto, precisará acolher histórias, tanto do lado A quanto do lado B. Eu não sei qual local será o seu ponto de encontro com outras histórias, mas eu sei que se a minha mesa não é para todxs, ela não é para NINGUÉM.

Saiba mais

Gosto de compartilhar textos, filmes e séries que me fazem refletir e enxergar a vida e as possibilidades através de um outro prisma. E, existe um pastor, sim, um pastor evangélico, no qual eu admiro demais, o Hermes Fernandes. Neste artigo, ele relatou algo dizendo que homofobia é pecado. E quanto à homossexualidade, poderíamos dizer o mesmo? É pecado ser homossexual? O que diz a Bíblia acerca disso? Leia aqui.

Além disso, existe um vídeo com uma mensagem que fala contra o preconceito que os gays sofrem, foi gravado pelos funcionários da Pixar. Assista aqui.

E não poderia terminar este artigo sem deixar o link do filme “Orações para Bobby” que conta a história real de um adolescente homossexual que se suicida por não suportar o desprezo da família em relação à sua orientação sexual. Depois da morte de Bobby a família, muito conservadora, fica totalmente desestruturada e devastada pela culpa. Assista aqui.

Se você gostou do artigo “Gays: tenha muito medo de se aproximar deles” deixe seu comentário abaixo e clique em algum dos links para ajudar a divulgá-lo.

Júlia Audi

Master Coach, escritora, empreendedora e radialista.
Júlia Audi

Últimos posts por Júlia Audi (exibir todos)